Viver a fé em tempos de pandemia

Os meios de comunicação e as redes sociais têm sido um instrumento importante para que as famílias se tornem verdadeiras Igrejas domésticas

Diante do isolamento social, provocado pela da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), a Igreja Católica suspendeu as missas e atividades pastorais. Tal medida atende às recomendações das autoridades sanitárias, dado que a melhor forma de conter o avanço da doença é a prevenção, evitando todas as formas de aglomeração de pessoas. Tal atitude é também um gesto concreto da Campanha da Fraternidade deste ano, que nos exorta a cuidar da vida: “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso”. No sábado, 21 de março, o presidente da CNBB, Dom Walmor de Oliveira Azevedo, gravou um vídeo com um apelo à população:

“Não saia de casa! Esse é um importantíssimo e grande remédio para vencermos a terrível pandemia do Coronavírus. Não saia de casa! Esse apelo entre em seu coração e cuidemos… É hora de colaborar. Vamos ter entre nós, agora, marcando o tecido da nossa cidadania, uma atitude de solidariedade como o bom samaritano: viu, sentiu compaixão e cuidou dele. Não saia de casa, vamos colaborar”.

O impedimento de ir às missas, no entanto, gerou outras formas de participação e celebração da fé, à distância. Os meios de comunicação social, especialmente as redes sociais, tem se tornado um grande instrumento para o cultivo da fé e da espiritualidade. Eles têm favorecido para que cada família se torne como uma pequena Igreja doméstica.

Neste final de semana, primeiro desde que os bispos decretaram a suspensão da missa com fieis, em todas as dioceses do Paraná, os bispos e os padres tem usado as páginas do Facebook para transmitir as missas aos fiéis em vários horários.

O bispo de Paranaguá, Dom Edmar Peron, celebra a missa diariamente da capela de sua casa, às 20h00, com transmissão pela página do Facebook da Diocese. No decreto, publicado no dia 17 de março, Dom Edmar pede aos fiéis: “Que se intensifique o tempo de oração pessoal e familiar, organizando o tempo para a leitura da Bíblia e a oração do Terço. Evitemos sair de casa e ir a lugares onde se reúnem muitas pessoas. Uma pessoa que esteja contaminado pelo vírus, ainda que não se tenha manifestado, pode se tornar transmissora para outras pessoas. Com criatividade, procuremos redescobrir o valor de viver junto aos da nossa casa, superando discórdias, aprendendo a nos perdoar mutuamente, buscando a paz e a união”.

A rádio Sant’Ana, na Diocese de Ponta Grossa, desde sábado, 21, está transmitindo a missa desde os seus estúdios, após a oração do Angelus, às 18h00. No estúdio ficam apenas o padre, o locutor e o operador. “Os padres não estão desobrigados a celebrar missa. Ela tem acontecido de forma restrita, sem a presença dos fiéis, e, uma das formas de valorizar as ferramentas de comunicação, entre elas, a Rádio Sant’Ana, que é da diocese”, explicou o padre Joel Nalepa, diretor da rádio.

Para a diocese de Palmas – Francisco Beltrão, Dom Edgar Xavier Ertl, bispo diocesano, também orientou o uso das redes sociais e das rádios para que os padres estejam próximos e possam assistir, espiritualmente, ao povo: “Temos a consciência que pelas redes sociais estamos ajudando nossas famílias para que tornem as suas casas uma verdadeira igreja doméstica, porque a casa, enquanto espaço familiar, na tradição bíblica, foi um dos lugares privilegiados para o encontro e o diálogo de Jesus e seus seguidores”.

Foto: Facebook Catedral Nossa Senhora de Belém

Na Paróquia Catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, o cronograma semanal de transmissões pelo Facebook conta com missas às 12h e às 19h e com o Terço da Misericórdia às 15h e o Terço Mariano às 18h. A programação é divulgada pelas redes sociais da paróquia e do próprio pároco, Pe. Jean Patrik Soares.

Em Curitiba, inspirado pelo exemplo de um padre italiano, o padre Reginaldo Manzotti, pediu aos fiéis que enviassem suas fotos, que foram impressas e colocadas nos bancos do Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe e Jesus das Santas Chagas. De quinta-feira, 20, após o programa de rádio em que o padre fez o pedido, até hoje as 12h, foram enviadas 310 mil fotos, que serão trocadas diariamente, enquanto durar o período de isolamento. “Quero que todos continuem acompanhando as missas, as celebrações. Quero continuar levando a Palavra de Deus, continuar sendo um girassol para todos nesse momento de angústia”, disse o padre Manzotti.

Nesse período, as emissoras de televisão de inspiração católica têm intensificado a divulgação dos horários das missas televisionadas. Mais uma forma para que os católicos, respeitando todas as recomendações das autoridades sanitárias, não se sintam desassistidos espiritualmente e também reforcem a oração pelo fim da pandemia.

Confira os horários de algumas emissoras: 

TV EVANGELIZAR:
Domingo: 08h e 18h
Segunda e terça: 07h30 e 12h
Quarta-feira: 07h30, 12h e 16h30
Quinta-feira: 07h30 e 12h
Sexta-feira: 07h30, 12h e 19h
Sábado: 12h

TV APARECIDA
Domingo: 8h e 18h (Missa de Aparecida)
Segunda a sexta-feira: 6h45, 9h e 18h (Missa de Aparecida)
Sábado: 6h45 (Missa de Bom Jesus da Lapa) / 9h e 18h (Missa de Aparecida)

REDE VIDA
Domingo: 8h e 17h30
Segunda a sexta: 6h55, 9h e 19h
Sábado: 7h, 9h, 15h e 17h30

TV CANÇÃO NOVA
Domingo a Domingo – 7h (Santuário Pai das Misericórdias)
Segunda-feira: 7h (Santuário), 15h30 (Santuário), 19h30 (SP – Paróquia Santa Cândida)
Terça, quarta e sexta-feira: 7h e 20h (Santuário)
Quinta: 7h, 16h30 (Santuário) e 20h (TV CN de Aracaju) [no dia 19/3, será às 19h30

Além disso, a editora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Edições CNBB, disponibilizou, gratuitamente, o download do livreto “Igreja em Oração”, para os meses de março e abril, afim de que os fiéis possam acompanhar a liturgia diária das missas. Para fazer o download, clique aqui.

Foto: Pascom Diocese de Umuarama

Aos católicos que tem fácil acesso à internet e são usuários das redes sociais, é recomendado que acompanhe as missas e outros momentos de oração de sua própria paróquia, se ela estiver fazendo, pois é uma forma de fortalecer a comunhão com a sua comunidade. Outra recomendação importante é buscar informação nos meios de comunicação credíveis, a fim de não ser enganado por notícias falsas (Fake News) e nem ajudar a propagá-las.

No período de isolamento social, também é possível usar a criatividade para manter a chama da fé acessa e para não perder a esperança. Atitudes como: assumir mais momentos de oração pessoal, rezar o terço, convidar a família para um momento de oração e de reflexão do Evangelho, ligar para os amigos, até mesmo fazer uma vídeo-chamada com mais de uma pessoa, para partilhar a vida e as experiências de fé. No início do cristianismo, os primeiros cristãos reuniam-se escondidos nas catacumbas para celebrar e partilhar a fé. Hoje, temos instrumentos para nos reunir, mesmo estando longe.

A fase que estamos vivendo exige sacrifícios e renúncias que visam o cuidado com a vida humana, ameaçada por esse vírus que tem assustado o mundo. Vamos viver essa Quaresma iluminados pela Palavra de Deus e fortalecidos pela oração e sem perder a esperança no Deus da vida.

(Karina de Carvalho — Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2)

Fonte; CNBBS2

Postagem; Pascom Diocesana