Jovens do Brasil contam como estão se preparando para o encontro “A Economia de Francisco”

De 26 a 28 de março deste ano, Assis, a cidade de São Francisco na Itália, vai receber mais de 2000 economistas e empreendedores com menos de 35 anos de diversos países, para participar do encontro “A Economia de Francisco”, o evento convocado pelo Papa. Até então, foram mais de 3300 pedidos de inscrição enviados de mais de 115 países. Os países com maior número de inscritos são Itália, EUA, Argentina, Espanha, Portugal, França, México, Alemanha, Grã-Bretanha e Brasil, do qual estima-se participarão 30 jovens.

A cidade será organizada em 12 “aldeias” que acolherão os trabalhos dos participantes sobre grandes temas e questões apresentados pela economia de hoje e de amanhã: trabalho e cuidado; gestão e dom; finança e humanidade; agricultura e justiça; energia e pobreza; lucro e vocação; políticas para a felicidade; CO2 da desigualdade; negócios e paz; Economia e mulher; empresas em transição; vida e estilos de vida.

Os participantes da Economia de Francisco são jovens pesquisadores, estudantes, doutorandos; empreendedores e dirigentes empresariais; inovadores sociais, promotores de atividades e organizações locais e internacionais. Eles lidam com o meio ambiente, pobreza, desigualdades, novas tecnologias, finanças inclusivas, desenvolvimento sustentável que, em síntese, se preocupam com o bem estar das pessoas.

Ramon Jung, um dos jovens brasileiros que irá a Assis, em março.

Ramon Jung, um dos jovens brasileiros que irá a Assis,

em março.

Ramon Jung Pereira, 26 anos

Entre estes participantes estará o Ramon Jung Pereira, 26 anos, que mora em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Formado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Betim, atualmente ele é mestrando em Administração na PUC Minas e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O foco dos seus estudos é em inovação, gestão e empresas sociais.

Ele também é pesquisador associado do Grupo de Pesquisa em Ética e Gestão Social onde estuda as áreas que fazem parte da gestão social. Com 10 anos de atuação profissional, ele já trabalhou com robótica, gestão financeira, criou um  negócio próprio e exerceu a docência. Em sua última experiência profissional desenvolveu, dentro de uma empresa de software, o “Decolab” uma aceleradora de ideias e projetos.

Em função de ter conquistado a bolsa da Capes, em 2019 passou a se dedicar exclusivamente ao mestrado. Mas de uma questão não abriu mão, continuar atuando como professor voluntário de inglês para as crianças no projeto “Sonhart” no bairro Santo Afonso, onde mora.

“Se eu só acreditar que a gente precisa mudar e não fizer nada prá mudar onde eu moro, já estou sendo muito hipócrita em relação aquilo que eu acredito”, disse. O meu intuito com o projeto não é que os meninos saiam de lá sendo fluentes no inglês, mas que eles possam ver que a língua não é um bicho de sete cabeças. Para isto, suas aulas fogem do convencional. Ele ensina inglês em aulas-piquenique, com músicas e objetos e também utiliza muitas brincadeiras.

O mestrando levará ao encontro em Assis a experiência do Concurso de Empresas Sociais, projeto desenvolvido em Brumadinho (MG), no qual atua em várias frentes. Criado pelo professor Armindo dos Santos de Sousa Teodósio, professor Teo, o Concurso de Empresas Sociais tem o objetivo de fomentar a criação de empresas sociais entre os alunos para criar ideias e perspectivas de negócio capazes de gerar não apenas valor social mas também ambiental. Hoje já são mais de 50 propostas de empresas criadas, que vão do microcrédito à venda de produtos orgânicos, etc.

Final do concurso Empresas Sociais, em Brumadinho (MG).

Ele conta que tem estudado muito sobre quem serão os personagens que estarão em Assis, principalmente o Muhammad Yunus, um dos conferencistas e também um estudioso que fundamenta seus estudos. “Também estou dialogando com outros participantes do Brasil que vão para a Itália, incluindo os representantes de São Paulo e de Minas Gerais”. A ideia, segundo ele, é criar vínculos e atitudes para que não seja só um encontro em Assis mas que tenha ações antes e depois do evento. Outro trabalho que fará será compartilhar artigos e fomentar diálogos entre os assuntos que serão abordados na Economia de Francisco e a realidade de sua cidade.

O que diria ao Papa
Se tiver uma oportunidade de dizer algo para o Papa, eu diria que a proposta do encontro é fantástica porque ele conseguiu levantar uma pauta que envolve todo o globo e vai promover o diálogo entre os saberes de jovens do mundo inteiro. A proposta da economia de Francisco aponta para um projeto que inclui e não exclui, que considera as pessoas, que impacta, traz benefícios e as considera como protagonistas da mudança. É um evento para qualquer um que queira discutir, colocar a mão na massa e mudar o modelo econômico, tradicional e violento que a gente vive.

Emanuelle, a segunda da esquerda para direita na foto.

Emanuelle Araújo de Silveira, 23 anos

Formada em economia pela PUC Minas, a jovem mineira atua como conselheira do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais. Ela se define como uma economista formada em bases humanistas, cristãs e solidárias, possibilitadas pela PUC Minas.

A jovem atua na feira de Economia Popular Solidária que acontece na universidade. Desde a graduação, ela contribui com a Feira, com a sua realização e promoção no meio universitário, capacitação dos feirantes e a representação da universidade junto ao Fórum Mineiro de Economia Solidária.

“Com a economia solidária podemos colocar em prática aquilo que o Papa vem chamando de uma economia diferente porque ela é um modo de produção que valoriza o bem comum, se apresenta como mais humanitária, mais democrática e participativa e está assentada nos princípios da cooperação, solidariedade e auto-gestão”, disse.

Em Assis, ela diz que pretende levar a discussão da economia solidária, articular ideias e soluções com pessoas com o objetivo de mudanças inspiradoras com o foco em uma economia mundial diferente. “Que seja mais humana, mais adaptativa às necessidades da sociedade e que se apresente de forma mais justa e sustentável”, disse.

O que diria ao Papa

Se tiver a oportunidade de dizer alguma coisa ao Papa, eu gostaria de parabenizá-lo pela atitude de promover um encontro como este. Principalmente pela visibilidade política e social que tem, porque o mundo precisa realmente aperfeiçoar e consolidar modos de produção que primam pela geração de renda e oportunidades para todos, principalmente os mais pobres.

O Encontro em Assis

O horizonte para articular a relação das aldeias no encontro é dado pelas palavras do bispo de Assis, dom Domenico Sorrentino: “o desenvolvimento do evento tem uma relação com São Francisco, com sua experiência de vida e suas escolhas, que têm valor também na economia. Foi ele quem escolheu entre uma economia de egoísmo e uma economia do dom. Seu despojamento é um ícone inspirador para o evento de março e é a razão pela qual o Papa o queria que fosse realizado em Assis. Esperamos que o clima espiritual desta cidade possa marcar todo o desenrolar do encontro”.

Basílica de São Francisco, em Assis

Basílica de São Francisco, em Assis

Para a prefeita de Assis, Stefania Projetti, a cidade não foi escolhida para sediar o evento ao acaso. “Assis, reconhecida também pelo Papa com este encontro, é uma ‘cidade-mensagem’, protagonista de uma mudança que passa finalmente das palavras para a ação. O evento é organizado pela diocese de Assis, pelo Instituto Seráfico, pelo município de Assis e pela Economia de Comunhão, em colaboração com as Famílias Franciscanas. Durante o último dia, os jovens “encontrarão” o Papa Francisco para selar um pacto solene, assegurando seu compromisso de mudar a economia atual e dar uma alma à economia do amanhã.

Com informações do VaticanNews

Fonte: CNBB

Postagem:PASCOM Diocesana