Centenário do nascimento de Chiara Lubich

Inaugura-se neste domingo, (19/01) as comemorações jubilares pelo nascimento de Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares. Em 2015, foi iniciada sua Causa de Canonização, atualmente em fase diocesana

Cidade do Vaticano

O Movimento dos Focolares inaugura, oficialmente, neste domingo (19/01), as comemorações jubilares pelo nascimento de Chiara Lubich, fundadora do Movimento “Obra de Maria”.

Desta forma, durante todo este ano, as comunidades dos Focolares, espalhadas pelos cinco Continentes, recordarão a figura de sua fundadora, líder religiosa e civil, por meio de eventos, exposições culturais, lançamentos de livros.

Muitas iniciativas já tiveram início, como a Exposição Internacional sobre a vida de Chiara, em Trento, sua cidade natal, promovida pelo Museu Histórico Trentino, em colaboração com o Centro Chiara Lubich.

Exposição internacional

A exposição apresenta uma versão itinerante do Movimento em algumas das principais cidades do mundo: São Paulo, Seul, Nova York, Cidade do México, Nairobi, Jerusalém, Mumbai, Sidney.

Os visitantes poderão conhecer de perto a história e as origens de Chiara Lubich, a ação do seu Movimento no mundo, o pensamento da fundadora, o carisma de Unidade e Fraternidade do Movimento “Obra de Maria” em diversos âmbitos: político, econômico, psicológico, Mediático, artístico, educacional e os diversos Prêmios internacionais atribuídos à fundadora d Movimento dos Focolares.

Assim, com um comunicado oficial, datado de 7 de dezembro de 2018, por ocasião dos 75 anos de consagração religiosa de Chiara Lubich, a Presidente do Movimento, Maria Voce, anunciou os 100 anos de nascimento da sua fundadora, durante todo este ano de 2020.

Biografia

A fundadora do Movimento dos Focolares, Chiara Lubich, nasceu em 22 de janeiro de 1920, em Trento, norte da Itália, mas foi batizada com o nome de Silvia.

Em 1943, atraída pela escolha de vida radical de Santa Clara de Assis, tornou-se Terciária Franciscana. Em 7 de dezembro, doou-se para sempre a Deus mediante o voto de castidade. No ano seguinte, após um violento bombardeio durante a guerra, sua família teve que fugir de Trento, mas Chiara decidiu permanecer. Com suas primeiras companheiras, dividiu um apartamento, na praça dos Capuchinhos, onde nasceu o Movimento dos Focolares.

Desde então, começou a aumentar o número de suas companheiras e companheiros. Por isso, durante o verão, começou a reuni-los, entre as montanhas das Dolomitas, dando origem assim às famosas “Mariápolis”, cujo nome significa “cidade de Maria”.

A partir de 1961, Chiara começou a compartilhar a sua vida comunitária com outras pessoas, queriam conhecer a espiritualidade evangélica.  Um ano depois, o Papa João XXIII aprovou o Movimento, que recebeu o nome de “Obra de Maria”.

Movimento dos Focolares

Chiara Lubich fundou assim o Movimento dos Focolares, difundido em 182 países, cujo carisma é a espiritualidade da unidade, com o objetivo de atuar, concretamente, contribuir para a atuação da oração de Jesus: “Para que todos sejam uma coisa só”.

Desta forma, Chiara Lubich se tornou uma figura carismática, conhecida pela sua incansável obra em favor da comunhão, da fraternidade e da paz entre as várias Igrejas diferentes, entre os fiéis de outras confissões religiosas. Assim, a espiritualidade dos Focolares tornou-se um estilo de vida novo em nível civil, econômico e político.

Chiara Lubich recebeu inúmeros títulos e condecorações, nacionais e internacionais; manteve uma profunda amizade com diversos Papas, autoridades e líderes religiosos, políticos e civis.

Após uma longa enfermidade, a fundadora do Movimento dos Focolares faleceu em 14 de março de 1908, na sua residência em Rocca di Papa, nas proximidades de Roma.

Devido à sua imensa herança espiritual, em 2015, foi iniciada sua Causa de Canonização, atualmente em fase diocesana.

Fonte:Vatican News

Postagem:PASCOM Diocesana