Após 11 anos de trabalho, CNBB lança nova edição da Bíblia

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está lançando uma nova tradução oficial da Bíblia que servirá de referência para a Igreja no Brasil. Como recomenda o Concílio Vaticano II, a tradução se baseia nos textos originais hebraicos, aramaicos e gregos, cotejados com a Nova Vulgata – a tradução oficial católica.

O projeto teve início em 2007, quando a coordenação de tradução e revisão, composta pelo padre Luís Henrique Eloy e Silva e os padres Ney Brasil Pereira e Johan Konings fizeram a revisão integral conjunta, enquanto os professores padre Cássio Murilo Dias e Paulo Jackson Nóbrega de Souza e a professora Maria de Lourdes Lima colaboraram em algumas partes.

Nova Edição da Bíblia da CNBB. Imagem Divulgação (Site CNBB).

Segundo a coordenação de tradução e revisão da Bíblia da CNBB, o desejo é o de proporcionar aos católicos do Brasil, uma tradução oficial da Bíblia, a ser usada nas futuras publicações oficiais da Igreja no Brasil (lecionários litúrgicos, documentos); e que sirva também de referência para que, sempre quando preciso, se possa encontrar uma tradução segura, reconhecida pelo Magistério não só da Igreja Católica no Brasil, mas do mundo.

“Seguimos de perto a nova tradução que depois do Concílio Vaticano II foi publicada, em latim, para a Igreja Católica inteira, a Nova Vulgata. Ao mesmo tempo levamos em consideração a fluência e a beleza, para que o texto possa entrar facilmente no ouvido e ser guardado no coração como alimento espiritual”, afirmou a coordenação de tradução e revisão da Bíblia da CNBB.

O texto, mais fluido que o existente em outras versões, apresenta-se simples e transparente nas narrativas, conservando toda a riqueza dos textos originais e os ecos da tradição litúrgica e espiritual através dos séculos. De acordo com a equipe de coordenação de tradução e revisão da Bíblia da CNBB essa edição se distingue da anterior, sobretudo pela maior fidelidade aos textos originais segundo as opções adotadas pela Nova Vulgata.

“Ao tomar por modelo a Nova Vulgata, não traduzimos do latim, mas dos textos originais em hebraico, aramaico e grego, segundo os mesmos critérios que tinham sido adotados para a nova tradução latina. Outro distintivo é que o texto inteiro da Bíblia foi retomado pela equipe dos três principais colaboradores, para garantir a homogeneidade da linguagem e do estilo”, afirma a coordenação.

O trabalho que levou 11 anos será oficialmente lançado no dia 21 de novembro durante a reunião do Conselho Permanente da CNBB, na sede provisória, em Brasília (DF), às 11h. A partir daí estará disponível para venda no site da Editora da CNBB. A Bíblia Sagrada “deseja entrar na memória e no coração, para alimentar a oração, inspirar a meditação e orientar a prática da vida, individualmente e em comunidade, em meio a esta humanidade tão querida por Deus e tão desajeitada no seu caminhar”, diz no trecho introdutório.

Fonte: Site da CNBB
Postagem: Pascom Diocesana